28/08/2018 às 17h47min - Atualizada em 28/08/2018 às 17h47min

Collor “ ROXINHO” recebeu meio milhão de reais de esquema da Odebrecht

Os valores teriam sido operacionalizados entre os executivos e o primo do senador "Euclydes Mello", de acordo com a delação da empreiteira.

- Repórter Mirim com Estadão

 

O Ministério Público Federal – revelou - através de perícia que o senador Fernando Collor de Mello recebeu meio milhão de reais de caixa dois da Odebrecht ambiental para influenciar "supostamente" pela privatização do saneamento de Alagoas.

 

Vejamos “parte” da matéria publicada no portal de notícias ESTADÃO:

 

De acordo com o perito, ‘foram encontradas evidências de que a Odebrecht efetuou pagamentos de, pelo menos, R$ 500 mil reais, em setembro/2010, destinados ao codinome Roxinho, que segundo executivos da Odebrecht identifica o Senador Fernando Collor de Mello.

 

 

Uma perícia do Ministério Público Federal sobre o sistema de contabilidade paralela da Odebrecht concluiu que a empreiteira pagou R$ 500 mil em caixa dois para a campanha do senador Fernando Collor (PTC), em 2010. O documento, datado de abril, foi anexado aos autos de investigação contra o parlamentar no Supremo Tribunal Federal. De acordo com a perícia, o dinheiro teria sido entregue em espécie ao ex-presidente da República.

 

Segundo a perícia, um dos documentos revela ‘extrato da conta de controle da Odebrecht denominada Paulistinha Real, operacionalizada pelo doleiro Álvaro José Novis para viabilizar os pagamentos em espécie (reais) na cidade de São Paulo/SP. “Os registros existentes nesses extratos revelam quais as
contas de onde saíram os recursos para viabilizar os pagamentos da empreiteira ao codinome Roxinho”.

 

Reprodução de trecho da perícia em que é apontado suposto saque ao doleiro Álvaro Novis

 

O dinheiro para o primeiro pagamento de R$ 300 mil foi viabilizado a partir da conta de controle da Odebrecht denominada Paulistinha-Real, operacionalizada pelo doleiro Álvaro José Novis para realizar pagamentos em espécie na cidade de São Paulo/SP, enquanto os recursos para o segundo pagamento no valor de R$ 200 mil foram obtidos por meio de outra conta de controle da Odebrecht, denominada Bambi Real”, escreveu.

 

Segundo o ex-executivo da Oderbrecht Alexandre Barradas, Collor foi “propositivo”.

Quero que você faça as obras”, teria dito. “E nós: ‘senador, nós não fazemos obras. Nosso negócio é investimento, é gestão. Inclusive quem faz a obra não somos nós. Nós contratamos as obras’. E ele: ‘Quero, quero, quero. Preciso ganhar’”, relatou Barradas.





Fonte:Estadão/ Fausto Macedo


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Na sua opinião, o prefeito Cacau Filho, até o momento está sendo:

24.0%
5.1%
1.3%
9.0%
59.9%
0.6%